Quando se deve usar S ou Z


Não é fácil estabelecer regras simples para a grafia correta de palavras em português. A grafia correta depende do étimo da palavra, isto é, muitos vocábulos derivam de outras línguas. Por este motivo, as regras expostas aqui servem para facilitar a escrita, contém , porém, várias exceções. Quando possuir alguma dúvida deve-se consultar o dicionário.

Usa-se “S” nas seguintes situações:

a)    Depois de ditongos:
Exemplo:
Coisa, faisão, mausoléu, etc.
b)    Devemos empregar “são” em substantivos derivados de verbos terminados em: “ender”, “verter”, “pelir” e “ndir”.
Exemplos:
Apreender, apreensão; Ascender, ascensão; compreender, compreensão; distender, distensão; estender, extensão; pretender, pretensão; suspender, suspensão;subverter, subversão; repelir, repulsão; fundir, fusão, etc.
c)    Em adjetivos terminados pelos sufixos “oso “ e “osa”, indicando abundância ou estado pleno.
Exemplos:
Formoso, formosa, dengoso, dengosa, horroroso,  horrorosa, cheiroso, cheirosa, etc.

d) Em palavras terminadas pelos sufixos: “ês”, “esa”, “isa” e “ose”; empregados na formação de nomes que designam:  títulos de nobreza, posição social, profissão, origem ou nacionalidade.
Exemplos:
Burguês, burguesa, camponês, camponesa, marquês, marquesa, português, portuguesa, princesa, profetisa, sacerdotisa, osmose, pentose, escoliose, etc.

e) Nos derivados de verbos terminados em “isar”:
Analisar, análise; pesquisar, pesquisa; paralisar, paralisia, etc.

f) Na conjugação dos verbos pôr, querer e usar:
pus, quis, usamos.

 

Usa-se “Z” nas seguintes situações:

a)    Nos formadores de substantivos abstratos a partir de adjetivos, terminados com sufixo: “ez” ou “eza”.
Exemplo:

Sensatez, Altivez, magreza, certeza, mesquinhez, moleza, etc.

b)    Em sufixo “triz” formador de femininos:
Exemplo:
Imperatriz, atriz, embaixatriz, etc.

c)     Em verbos terminados pelo sufixo “izar”, quando a palavra primitiva não possuir  “s”:
Exemplos:
Economia, economizar; Terror, Aterrorizar; Frágil, fragilizar.

OBS: Análise + ar = analisar; friso +ar = frisar. Isto é, nessas palavras não existe o sufixo “izar”.

d) Em sufixos formadores de aumentativo e diminutivo,  quando a palavra primitiva não possuir “s”  no radical.
Exemplos:
Carta, cartaz; Mulher, mulherzinha; avião, aviãozinho; arvore, arvorezinha.

 

Deve-se levar em conta a regra abaixo:

Se a palavra primitiva é grafada com uma letra, suas derivadas também serão grafadas com a mesma letra.
Exemplos:
Casa: casinha, casebre, casarão;
Lápis: lapisinho, lapiseira;
Raiz: raizinha, enraizado.

 


Você também pode gostar de:

41 Comentários

  1. LutherOn disse:

    Obrigado por compartilhar este site incrível.

  2. Josephsoot disse:

    Muito bom adorei!

  3. Andrewst disse:

    Sério, este é um site vantajoso.

  4. DouglasMic disse:

    Obrigado, este site é extremamente útil.

  5. MateusBrandl disse:

    Um site muito bom obrigado pelas dica adorei ótimo site.

  6. EG disse:

    Muito obrigado, bem explicado. Mas ainda me pergunto… Por quê?

  7. Roberto Bettini disse:

    Muito simples e fácil de entender:muito e esclarecedor.

  8. Roberto Bettini disse:

    Muito simples e esclarecedor: Muito bom.

  9. laiane disse:

    isso é muito bom é bom de mais achei o que procurava

  10. Elson disse:

    Português só poderia ser coisa de português mesmo.. kkkkk. O quanto seria mais fácil “S” ter som somente de “S” e “Z” ter somente som de Z. Língua portuguesa é palhaçada…..

  11. Alessandra disse:

    Adorei, faz tempo que estudei isso.

  12. carlos caetano disse:

    falar bem a língua portuguesa é um desafio, é preciso ler bastante sobretudo textos bem escritos.

  13. João disse:

    Muito legal a explicação gostei, mas vou estudar muito pra chegar a um português exemplar.

  14. Carlos Porto disse:

    Enquanto escrevia a mão raramente tinha dúvidas, agora digitando, como sou lento no teclado, perco o ritmo e vivo com dúvidas, será só comigo?

    • Ana paula da silva disse:

      Também passo por isso,agora busco a palavra certa ou subistituo por outra com mesmo dentido kkkkk dá tudo certo no final.abraço

  15. jaqueline disse:

    Conteúdo riquíssimo!

  16. Thais disse:

    Muito bom.

  17. bene camargo disse:

    Muito bom amei

  18. ymaraz almeida disse:

    Muito útil.Gratíssima

  19. lucas josue disse:

    Muito bom, gostei.

  20. André disse:

    Muito legal, pena que não entendi nada, vou continuar usando o word. rsrs.

  21. Por que “fraqueza” se escreve com z, já que vem precedido de ditongo?

  22. anlaue disse:

    Ajudou me bastante.

  23. Alefe disse:

    Muito bom o site recomendo para todos.

  24. Jose soares disse:

    muito bom gostei tirou minhas duvidas

  25. Elias disse:

    Muito bom, vai me ajudar.

  26. Antonio ângelo disse:

    Maravilhoso site. Explanação extremamente didática.
    Por favor, continue a alimentá-lo com essas regras da nossa língua!
    Tem perfil instagram?
    @antonioangelo
    Obrigado!

  27. Fernando Cuamba disse:

    Gostei.

  28. EDIVALDO disse:

    muito bom gostei muito, me ajudou bastante.

  29. hellen disse:

    não sabia , fiquei a saber,obrigada.

  30. Mario disse:

    Gostei da explicação, mas ficou uma dúvida quanto a algumas palavras…
    TRÂNSITO.
    TRANSIÇÃO.
    TRANSATLÂNTICO.

  31. Simone disse:

    Muito bom…indico!

  32. Humberto disse:

    Obrigado

  33. É verdade, pode ver, os americano ou qualquer outra pessoa estrangeira, vem aqui no Brasil não consegue aprender nossa língua ou então demora, nós brasileiros aprendemos rapidinho, porque, uma que o inglês e espanhol é mais prático, outra, a Língua portuguesa é uma gramatica altamente técnica, além que somos inteligentes é claro.

  34. Nanda disse:

    Como se torna difícil esse nosso português
    com tantas regras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *